Foz do Iguaçu: Alimentação
América | Brasil | Paraná | Roteiros

Foz do Iguaçu: Alimentação

Porque nem só de passeios vive uma boa viagem né amigos? Hoje vamos falar sobre como foi nossa experiência alimentícia durante essa viagem incrível do Carnaval 2018. Foz do Iguaçu é uma cidade de fronteira, com ampla diversidade cultural, turismo e influência dos países vizinhos e isso certamente se reflete em sua culinária. Pois bem, vamos aos fatos.

Primeiro jantar

Nosso primeiro jantar supostamente deveria ter acontecido no Marco das Três Fronteiras. Conhecemos o local, fizemos algumas fotos e escolhemos uma mesa fresca do lado de fora do restaurante. O local tem a opção de buffet livre (R$45 por pessoa) ou petiscos pedidos pelo cardápio. Como não estávamos com muita fome, optamos por pedir um hambúrguer do cardápio. O atendimento foi meio confuso pois o restaurante estava cheio. Só que depois de uns 10min de espera começou a chover e nosso garçom não foi rápido o suficiente para nos alojar em uma mesa do lado de dentro.  Foi uma confusão geral porque a chuva ficou muito forte e o restaurante era uma das únicas duas opções de espaços cobertos no local. Resultado: pedimos para viagem, tomamos chuva para chegar no carro e comemos o sanduíche frio em nosso quartinho do Airbnb.

O Restaurante Cabeza de Vaca é o típico local turístico que te cobra caro por uma comida simples e com a desculpa do “comer à vontade”. A decoração é legal, a vista é bonita. Mas não há nada de muito especial além disso. Não esqueça de pedir o seu desconto no local caso tenha comprado o Passaporte 3 Maravilhas.

Segundo Jantar

Não foi no segundo dia, mas foi uma boa experiência e quase que fora do “óbvio” – pelo menos para um turista. Nesse dia queríamos ir jantar na Argentina, mas nos demos conta que não tínhamos comprado a Carta Verde e já no final da tarde todos os lugares que vendiam estavam fechados. Foi meio frustrante, mas resolvemos procurar um lugar ali pela cidade mesmo e depois de algumas buscas na internet acabamos caindo na Avenida Jorge Schimmelpfeng. Local bem badalado com vários bares e restaurantes no centro da cidade. Procuramos um estacionamento e escolhemos um restaurante bem perto de onde estacionamos o carro.

A escolha do Park Foz não poderia ter sido melhor. Optamos novamente por um petisco e a porção de carne com gorgonzola e de batata vieram para comer até acabar. O atendimento foi ótimo, a decoração era bem bonitinha e no final das contas saímos felizes. Além das porções o restaurante também serve comida e pizzas.

Caso você queira outro tipo de comida ou um lugar mais animado, a mesma avenida te serve com essas opções. Vale a pena sair do óbvio dos restaurantes de rodízio e shows turísticos, nem que seja por uma noite.

Eu ouvi desconto?

E você deve estar aí se perguntando se a escolha do restaurante acima foi puro fruto do acaso e na verdade não foi! Em nossas pesquisas prévias sobre Foz do Iguaçu encontramos o Ticket Loko. Que é basicamente o que conhecemos como Peixe Urbano (rsrs). Só que lá existem diversos guichês em vários pontos da cidade e você pode comprar um Ticket de desconto para atrações turísticas ou restaurantes. Na verdade fomos até lá para ver se conseguíamos algum desconto razoável no Macuco Safari (que até tinha, mas somente para pagamento à vista) e acabamos vendo a promoção desse restaurante. O Ticket Loko vale a pena em algumas ocasiões ou dependendo do número de pessoas de seu grupo, por isso, deem aquela checada no guichê mais próximo.

Almoço na fazenda

O destino final era a Usina de Itaipu. Mas já passava da hora do almoço e sabíamos que a visita lá poderia demorar um pouco. Então, fomos olhando placas pelo caminho ao mesmo tempo que traçávamos roteiros desconhecidos no Waze para encontrar um restaurante que saísse pouco ou quase nada da rota. E daí nos apareceu o Rancho Coyote.

Bem escondidinho, do lado esquerdo da pista (sentido Itaipu) o restaurante tem um clima de fazenda que já começa no estacionamento de chão batido. Lá dentro, as mesas e bancos são de madeira e coletivos (bem ao estilo refeitório). A comida é R$ 25 por pessoa para comer à vontade, pouca variedade que é o suficiente para ser bem feliz. Com gostinho de comida de vó e churrasco de família aos domingos, as carnes são servidas direto da churrasqueira. Além da experiência ser incrível o atendimento não deixa a desejar. Super vale a parada!

Outras dicas

  1. Chipa: típica de algum lugar ali perto da fronteira, ela é vendida em padarias ou no trânsito da fronteira com a Argentina. Comemos e tem gosto de pão de queijo.
  2. Essa é uma lenda – pelo menos para nós dois – A sopa do Paraguai, experimente e conte para gente nos comentários.

Essa foi nossa experiência pessoal. Como foi a sua? Você acrescentaria mais algum lugar? Conta pra gente nos comentários! Quem sabe não rola um update?

 

Viajar é sempre bom, mas planejar pode ser um problema, certo? Não! Planejar uma viagem é importante para que tudo corra bem, para que você economize, para que você consiga se divertir ao máximo e ter uma experiência plena. Esse e-book vai te guiar por todas as fases de uma bom planejamento de viagem!

 

Fonte Imagem Destacada: https://unsplash.com/photos/Ww8eQWjMJWk

Similar Posts

Inscreva-se
Notifique-me sobre
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários