fbpx

O que fazer em Galway – Roteiro de 3 dias (dia 3)

O último dia em Galway foi planejado de forma muito esperta. Nós tínhamos duas opções quando começamos a fazer o roteiro: 1- dormir mais uma noite em Galway (e por consequência pagar uma diária a mais) e aproveitar os pubs da cidade ou 2-sair do hotel de manhã já com as malas e ir para Dublin no final do dia. Escolhemos pela mais econômica: a segunda. Então depois de nossa incrível ceia de natal (não sabe sobre a ceia? clique aqui!), nós arrumamos as coisas e deixamos prontas para ir embora na manhã seguinte.

Acordamos e carregamos as nossas malas até o ponto do GoCar (que reservamos previamente). Deixamos as malas no porta malas e partimos para a aventura do dia: mais um dia cheio de estradas irlandesas e ovelhas fofas. Dessa vez compramos mais snacks para garantir que teríamos o que comer caso os restaurantes estivessem fechados novamente.

Ovelhas são comuns nas estradas da cidade

Na Irlanda o dia 26 de dezembro é feriado de St Stephen Green. Um feriado que se compara à Black Friday para os EUA. Só que somente os comércios abrem nesse dia, o resto do país continua fechado, afinal é feriado!

Roteiro

Depois de pegar o carro partimos para a estrada. Nossa primeira parada foi a Quiet Man Bridge, ela é famosa porque foi locação de um filme irlandês famoso: Quiet Man. O local tem basicamente uma ponte, mas como chegamos logo depois do dia clarear, paramos o carro e conseguimos perceber a natureza acordando, os passarinhos cantando e o sol aparecendo. O céu estava com uma cor especial, colorida alaranjada e foi um momento bem especial.

Quiet Man Bridge

Mas no final das contas não havia muito o que fazer ali, então tiramos algumas fotos, aproveitamos aquele momento e seguimos viagem para a próxima parada que foi o Lough Inagh que é basicamente dirigir por volta dos grandes lagos irlandeses com lindas paisagens típicas da região. Vez por outra encontramos algum mirante ou local de parada para fotos na estrada. A primeira vontade é parar em todos os cantinhos pois a paisagem é encantadora, mas com o tempo a gente começa a filtrar melhor.

Depois desse deslumbre chegamos até a Connemara National Park, nosso primeiro parque nacional na Europa. Ali encontramos uma gentileza fofa de Natal: os funcionários não trabalharam e a parte administrativa, segurança e entrada estavam todas desativadas, mas o acesso ao parque estava liberado (com banheiros abertos) para quem quisesse aproveitar o dia. Começamos a fazer a primeira trilha e parte da segunda, e então voltamos pois o frio e o vento estavam muito fortes. Quando chegamos de volta ao centro de visitantes o café havia aberto e nós garantimos ali o nosso almoço, pois em terra de feriado a gente nunca sabe quando vai encontrar algo aberto novamente.

Connemara National Park

Dali conseguimos ver pelo mapa uma cachoeira por perto e resolvemos ir conhecer. Aasleagh Waterfall parecia incrível para um passeio no verão! Um gramado, uma ovelha por perto e uma cachoeira que desce por entre um rio com pequenos lagos que pareciam ótimos para banho. De toda forma abriu um sol naquele momento (esse clima maluco irlandês) e aproveitamos um pouco para caminhar na beira da correnteza d’água.

Aasleagh Waterfall

De lá pegamos uma estrada sem fim que conseguimos tirar fotos com as ovelhas e nos sentimos dentro de um filme. Cheio de lagos e paisagens inacreditáveis.

Na volta passamos num vilarejo chamado Cong e a gente garante: parada obrigatória na região. Passeamos pelo parque local e conhecemos a Monk’s Fishing House (não sabe o que é isso? Acesso nosso Instagram e confira nos stories destaques de Galway!). Lá também encontramos um pub aberto e tivemos nossa primeira (e única) refeição descente nessa viagem. A cidade começa a voltar ao normal depois da parada para o Natal.

Monk’s Fishing House

Abastecendo o carro

Depois do nosso jantar pegamos a estrada de volta para Galway e nos deparamos com um desafio ainda não encarado nesse intercâmbio: abastecer o carro. Quando usamos o GoCar precisamos devolver o carro sempre com – pelo menos – um quarto do tanque e em todas as outras (três) ocasiões que usamos não precisamos colocar gasolina porque ainda havia um quarto de tanque no carro quando terminamos a locação. Só que dessa vez deu ruim! E a gente teve que passar no posto de gasolina.

Na verdade não escolhemos muito o lugar, nosso critério foi simplesmente encontrar um local aberto! (feriado, lembra?). Paramos o carro em frente a bomba e fomos até a loja de conveniência pagar pelo combustível. Uma coisa legal do GoCar é que o combustível é incluído no preço da diária, então há um cartão no porta-luvas e você paga com ele quando precisar abastecer.

Só que quando chegamos para pagar era necessário colocar uma senha e a gente simplesmente não sabia onde ela estava! Tivemos que voltar no carro para descobrir que a senha estava no quebra-sol colada em um post-it. E daí voltamos na loja e pagamos pelo combustível. Daí colocamos o combustível no carro e partimos.

Mas antes disso a gente tem que fazer dois comentários importantes: 1- como vocês perceberam não há frentistas nos postos irlandeses. 2- a gente podia ter abastecido primeiro e depois pagado, mas claro que a gente só descobriu isso tarde demais. Quem sabe numa próxima…

Voltando para Dublin

Depois da experiência com o carro a gente devolveu ele no ponto de partida, e fomos até a rodoviária para pegar o ônibus para voltar para casa. Já era final da tarde, mas ainda assim tivemos que esperar por quase uma hora até o horário do nosso ônibus.

Porque não voltamos de trem, você deve aí estar se perguntando e eu vou te responder com: feriado, lembra? Não tinha serviço de trem para Dublin nesse dia.

Nos restou o ônibus e se a gente puder te dar um conselho: vá de trem! Muito mais confortável e tranquilo.

Essa foi nossa experiência do Natal em Galway! Gostou? Faltou alguma coisa ou ficou com dúvida? Escreve para gente nos comentários!

 

 

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.